CHARNECA DE
CAPARICA / ALMADA
DAS 09H00 ÀS 21H00

Intermarché de Almada e Banco Alimentar

30 de Novembro de 2014

Intermarché de Almada apoia a Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares.

No passado dia 30/11/2014, o Intermarché de Almada (Charneca de Caparica), voltou a unir esforços para ajudar a Federação Portuguesa dos bancos Alimentares contra a Fome, na sua missão de recolher alimentos para distribuir a instituições de solidariedade social.

Intermarché de Almada e Banco Alimentar

Os Bancos Alimentares Contra a Fome recolheram, neste fim-de-semana, 2.325 toneladas de géneros alimentares numa campanha realizada em 1.995 superfícies comerciais desde Viana do Castelo ao Algarve.

Os géneros alimentares recolhidos serão distribuídos a 2.400 Instituições de Solidariedade Social, que os entregam a cerca de 425 mil pessoas com carências alimentares comprovadas, sob a forma de cabazes ou de refeições confecionadas. Esta campanha ficou entretanto marcada pela introdução de sacos de papel, mais amigos do ambiente do que os tradicionais sacos de plástico, recicláveis embora.

o Intermarché de Almada contribuiu AINDA com A oferta de uma palete de leite.

Intermarché de Almada e Banco Alimentar

OS BANCOS ALIMENTARES CONTRA A FOME SÃO...

Uma resposta necessária mas provisória, porque "toda a pessoa tem direito a um nível de vida suficiente que lhe assegure e à sua família, a saúde e o bem-estar, principalmente quanto à alimentação, ao vestuário, ao alojamento, à assistência médica e ainda aos serviços sociais necessários" (Excerto do artigo 25º da Declaração Universal dos Direitos do Homem).

Tem como missão lutar contra o desperdício, recuperando excedentes alimentares, para os levar a quem tem carências alimentares, mobilizando pessoas e empresas, que a título voluntário, se associam a esta causa.

SAIBA MAIS

Em 1990, foi criado em Portugal o primeiro Banco Alimentar Contra a Fome, por iniciativa de José Vaz Pinto.

Uma ideia de John Van Hengel, que em 1967 fundou o primeiro Food Bank, em Phoenix, no Arizona, deu inicio a um movimento que existe hoje nos 6 continentes. A ideia foi trazida para a Europa em 1984, tendo sido criados Bancos Alimentares em França e na Bélgica.
Foi com base nos princípios da dádiva e da partilha, na gratuidade das contribuições, na luta contra o desperdício de produtos alimentares e na sua repartição pelas pessoas mais necessitadas, através de instituições de solidariedade, que se assistiu em Abril de 1990, à constituição do Banco Alimentar Contra a Fome em Lisboa. Foram também estes os princípios que estiveram na génese de todos os Bancos que se seguiram.

Foi em 23 de Fevereiro de 1999 que foi constituída a Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome, com o objectivo de zelar pela missão e valores, harmonizar e coordenar os procedimentos e as práticas dos vários Bancos em actividade e auxiliar à constituição de novos Bancos noutros pontos do país, por forma criar uma rede de combate ao desperdício e de ajuda aos mais necessitados tão estruturada quanto possível.