CHARNECA DE
CAPARICA / ALMADA
DAS 09H00 ÀS 21H00

Doença celíaca

Também conhecida como enteropatia sensível ao glúten ...

Estima-se que em Portugal existam 70.000 a 100.000 celíacos por diagnosticar

Sabia que a Doença Celíaca impede os seus portadores de consumirem alimentos tão vulgares como pão, massas ou bolachas à base de trigo?

A Doença Celíaca pode manifestar-se em qualquer idade, mas é mais frequente nas crianças entre os 9 e os 36 meses de idade, durante a introdução de novos alimentos. A Doença Celíaca pode ser definida como uma intolerância permanente às gliadinas do trigo e prolaminas de outros cereais, na mucosa do intestino delgado, desencadeada em indivíduos geneticamente predispostos para a mesma, pela ingestão da proteína mais importante do trigo, cevada e centeio, denominada de glúten.

Doença Celíaca, intolerância ao glúten

No Intermarché de Almada temos uma secção exclusÍva de produtos sem glúten!

Quais os tipos de Doença Celíaca?
Dependendo das características clinicas, histopatológicas e imunológicas, a Doença Celíaca pode ser classificada nas seguintes formas:

  • Clássica (típica): caracterizada pela típica síndrome de má absorção como diarreia, flatulência, perda de peso, fadiga, vómitos, dor abdominal, bem como pela expressão de lesão intestinal grave que afeta uma grande parte de intestino delgado.
  • Subclínica (atípica): as manifestações gastrointestinais podem ser leves ou ausentes e muitas vezes são completamente encobertas pelos sintomas extraintestinais, especialmente nos pacientes com lesão da mucosa, confinada ao intestino delgado proximal.
  • Silenciosa (assintomática)
  • Potencial / latente

Dieta sem glúten

Como funciona a dieta sem glúten?

Como funciona a dieta sem glúten?

Na dieta sem glúten é necessário substituir os alimentos que contenham o glúten por produtos sem essa proteína, como é o caso do arroz e seus derivados (farinha de arroz), milho e seus derivados (farinha de milho, amido de milho), batata (fécula de batata), etc.

O glúten é uma proteína vegetal, presente no trigo, na aveia, no centeio, na cevada, no malte, e em todos os produtos que utilizam um desses ingredientes na sua preparação, como é o caso dos bolos, pão, pizzas e bebidas fermentadas como a cerveja.

Atualmente, há pessoas que não são portadoras da doença celíaca, mas excluem o glúten da sua alimentação com a finalidade de emagrecer. É importante esclarecer que o glúten isoladamente não é responsável pelo aumento de peso, mas sim o consumo excessivo de alimentos que o contenham, como é o caso do pão, biscoitos, pizzas e bolos. Desta forma, as pessoas que emagrecem retirando o glúten da alimentação não emagrecem pela exclusão dessa proteína, mas sim porque o consumo de calorias é menor.

Mas afinal, o que é o glúten?

O Glúten é uma proteína de baixo valor nutritivo, existente em diversos cereais, nomeadamente no trigo, na aveia, na cevada e no centeio. O Glúten é constituído por duas frações proteicas principais: prolaminas e gluteninas. As prolaminas, que se encontram no trigo (gliadina), cevada (hordeína) e centeio (secalina) são nocivas para indivíduos que sofrem de intolerância ao glúten.